Notícias

GERAL

Matéria Publicada em: 29/06/2020

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E CBI LANÇAM PLANO DE TÍTULOS VERDES PARA O AGRO BRASILEIRO



Meta é estimular desenvolvimento de um mercado para o setor, criar fontes de financiamento e adotar práticas de tecnologias sustentáveis.

O potencial de investimentos verdes para o agronegócio brasileiro foi discutido no lançamento virtual do Plano de Investimentos para a Agricultura Sustentável, nesta terça-feira (23/6), pelo Ministério da Agricultura e pela Climate Bonds Initiative (CBI), autoridade e única certificadora global de títulos verdes. A meta é estimular o desenvolvimento de um mercado de títulos verdes para o setor agropecuário, criar fontes de financiamento e adotar práticas de tecnologias sustentáveis no país. Em julho, a CBI lançará a cartilha do plano para a agricultura que ajudará ainda mais o mercado brasileiro ao oferecer embasamento para os investidores.

“O resultado desse esforço conjunto começa a frutificar com a publicação desse plano de investimento para a agricultura sustentável brasileira, sendo lançado juntamente com a pesquisa direcionada para investidores potencialmente interessados em investirem na agropecuária sustentável do Brasil”, ressaltou Tereza Cristina. Desde 2014, o mercado de títulos verdes tem tido um crescimento exponencial no mundo, tendo acumulado um volume de cerca de US$ 840 bilhões. O uso de recursos na agricultura, entretanto, representa em torno de 3% - mas chega a 35% no Brasil, o que demonstra a vocação do país em figurar entre os grandes mercados de títulos verdes em projetos de agricultura, pecuária e florestas.

Segundo Justine Leigh-Bell, diretora de desenvolvimento de mercado da CBI, o potencial de investimentos desses títulos aqui no Brasil gira em torno dos US$ 163 bilhões. Ela destacou o terreno fértil que o paós tem para investimentos na agricultura sustentável através de programas já existentes, como o Agricultura de Baixo Carbono (Programa ABC) e o Novo Código Florestal, além dos compromissos climáticos. Também ressaltou que o plano se apresenta como “uma oportunidade significativa para investimentos através da agricultura, pecuária, energias renováveis, transportes de baixo carbono, água e florestas”.

Ferrogrão
O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, salientou a atuação da pasta na oferta de uma carteira verde, com destaque para o Ferrogrão, e com a incorporação dos princípios de ESG (melhores práticas de ambientais, sociais e de governança, sigla em inglês) no âmbito do ministério.  “Estamos com uma carteira de investimentos bastante robusta. Esta é a primeira vez que um projeto com essa abrangência (Ferrogrão) é feito no Brasil onde estamos trazendo as considerações de riscos climáticos, redução de emissão de CO2, limitação de combustíveis fósseis. São projetos extremamente desafiadores, mas que vão proporcionar uma revolução em termos de transporte, redução de custos e aumento de competitividade”, destacou.

Ele citou que o mercado mundial de títulos verdes acumula US$ 541 bilhões, e o Brasil fica apenas com US$ 1,5 bilhão. “É muito pouco comparado com o universo total. Tenho conversado com investidores e o que se tem visto é a falta de informação que o Brasil está fazendo nessa área climática. Nós devemos e podemos participar mais deste mercado. Temos que pensar no Brasil como um projeto com grande potencial ambiental ainda a ser desenvolvido”, disse. A presidente do USB no Brasil, Sylvia Coutinho, demonstrou que, a nível global, os investidores têm mudado a sua forma de pensar, levando ainda mais em consideração os critérios ESG e correlacionando sustentabilidade ao risco e retorno de seus investimentos. Segundo ela, a resiliência dessas estratégias tem sido percebida durante a pandemia de coronavírus.

“Enquanto os investimentos ESG tiveram um aporte da ordem de US$ 46 bilhões durante a pandemia, as demais estratégias tiveram saídas de aproximadamente US$ 400 bilhões. Ou seja, essa crise pela qual estamos passando deve cristalizar ainda mais a mente do investidor essa correlação", afirmou.

Pesquisa

Sylvia Coutinho frisou, ainda, que o interesse em títulos verdes não é exclusivo de mercados desenvolvidos e citou uma pesquisa recente com mais de 3 mil investidores em 35 países na qual os investidores brasileiros apareceram nas posições mais altas no ranking de sustentabilidade. "O Brasil teve uma preocupação acima dos países da Europa que observamos, que tradicionalmente são os que mais levam em conta esses aspectos”, afirmou. Além disso, entre os investidores do USB, segundo ela, 89% consideram que há um risco significativo para as empresas que não adotarem esses fatores nas suas tomadas de decisão. A ministra Tereza Cristina lembrou a importância da adequação dos processos de certificação e dos ajustes na legislação para facilitar, dar transparência e trazer mais segurança jurídica.
 

Fonte: Revista Globo Rural

Previsão do tempo

Entre-Ijuís
Domingo 11/07/2020

21º
Pancadas de Chuva a Noite
19º Eugênio de Castro
20º Santo Ângelo
20º Caibaté
21º Vitória das Missões