Notícias

SOJA

Matéria Publicada em: 23/03/2021

DESENVOLVIDA PRIMEIRA SOJA BRASILEIRA PARA SER CONSUMIDA COMO EDAMAME, ALIMENTO POPULAR NO ORIENTE



A cultivar de soja BRS 267 poderá ampliar o consumo de um alimento ainda pouco conhecido no Brasil, o edamame, grãos verdes servidos com sal, bem comuns no Japão e em outros países asiáticos.

A cultivar de soja BRS 267 poderá ampliar o consumo de um alimento ainda pouco conhecido no Brasil, o edamame, grãos verdes servidos com sal, bem comuns no Japão e em outros países asiáticos. A cultivar produz grãos grandes, de sabor suave, que apresentam textura similar a outras leguminosas como grão-de-bico, ervilha verde e alguns tipos de feijões. O preparo é fácil, com rápido cozimento, e pode ser consumida em lanches como snacks, ou compor pratos como sopas e saladas.

Como potencial produto de nicho, o cultivo da soja para edamame é uma boa opção para agricultores familiares e orgânicos. O pesquisador da Embrapa José Ubirajara Moreira explica que realizar a colheita da BRS 267 na fase certa é primordial para um produto com qualidade sensorial e nutricional diferenciada. “Deve ser colhido no estádio R6, com grãos formados, verdes e completamente cheios. Esse período de colheita é muito curto e dura de dois a quatro dias”, informa.

A pesquisadora da Embrapa Ilana Felberg lembra que, assim como toda soja, a cultivar BRS 267 deve ser cozida antes de ser consumida. Foram realizados procedimentos para estabelecer as etapas e condições de processo que possam ser facilmente reproduzidos em cozinhas ou agroindústrias familiares. “Podemos cozinhar tanto as vagens quanto os grãos já debulhados. O que fizemos foi avaliar e verificar a efetividade do tempo de cozimento na inativação de fatores antinutricionais para tornar seguro o consumo do produto,” conta.

A etapa de cozimento das vagens requer fervura em água. “Sugere-se o tempo de 20 minutos. Após o cozimento é necessário escorrer a água e, em seguida, mergulhar o recipiente com as vagens em água fria ou passar em água corrente até que esfriem, para interromper o cozimento e evitar o amolecimento excessivo das vagens”, explica a pesquisadora da Embrapa Renata Torrezan.

Depois da retirada do excesso de água, o produto pode ser acondicionado em embalagens adequadas ao tipo de estocagem. “O armazenamento pode ser por até cinco dias em temperatura de refrigeração, entre dois e oito graus Celsius, ou por até um ano em temperatura de congelamento de 18 graus negativos”, acrescenta Torrezan. 

A pesquisadora alerta que, mesmo que o processamento do alimento seja realizado em pequena escala ou artesanal, o edamame precisa passar por processamento térmico antes do consumo. Os procedimentos necessários estão detalhados no manual “Processamento de edamame em vagens para agroindústria de pequeno porte” e também estão sujeitos às legislações sanitárias municipais e estaduais de cada localidade.

A cultura da soja para edamame apresentou bons resultados em diferentes condições edafoclimáticas, ou seja, de clima e solo. Inicialmente recomendada para Santa Catarina, Paraná, São Paulo e sul de Mato Grosso do Sul, a cultivar também teve bom desempenho no Rio de Janeiro. A Embrapa Agroindústria de Alimentos, localizada na capital fluminense, desenvolveu protocolos de processamento utilizando edamame produzido em lavouras no próprio estado, por meio de parcerias com agricultores.

Segundo a pesquisadora da Embrapa Claudia Jantalia, a ausência da cultura da soja no estado fez com que a incidência de pragas e doenças fosse baixa. Ela explica que as características edafoclimáticas testadas fizeram com que a cultura reduzisse o ciclo em relação a outras regiões como o Paraná, o que a torna uma opção interessante para o produtor fluminense.

Edamame

O edamame é alimento tradicional no Oriente e popular em países como Estados Unidos, Austrália e na Europa. O alimento é encontrado no mercado brasileiro em pacotes de vagens e grãos verdes congelados, importados principalmente da China.

A pesquisa

Em 1985, a pesquisadora da Embrapa Mercedes Carrão Panizzi iniciou a coordenação de um projeto de melhoramento genético para obtenção de cultivares de soja com características especiais para a alimentação humana e um programa de promoção da leguminosa para esse fim. “Cinco cultivares foram lançadas a partir do projeto, entre elas a BRS 267,” lembra a cientista.

“Entre os atributos da cultivar, o sabor agradável é resultado da presença de sacarose [açúcar], característica essencial para edamame”, esclarece o pesquisador da Embrapa Marcelo Álvares de Oliveira, ressaltando que a cultivar apresenta resistência às principais doenças da soja.

O trabalho de pesquisa e de transferência de tecnologia reuniu equipes de quatro unidades da Embrapa: Embrapa Agroindústria de Alimentos (RJ), Embrapa Soja (PR), Embrapa Trigo (RS) e Embrapa Agrobiologia(RJ). 

Os testes com produtores rurais do Rio de Janeiro e Espírito Santo contaram com a parceria da Secretaria de Agricultura de Itaguaí, Empresa de Pesquisa Agropecuária do Estado do Rio de Janeiro (Pesagro), Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF) e Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper).

A experiência e o interesse dos agricultores familiares orgânicos são uma grande vantagem. Trata-se de uma oportunidade de diversificação da produção agropecuária com a inserção dessa cultivar”, destaca o pesquisador da Embrapa Mauro Pinto, que considera o interesse dos consumidores e a facilidade de preparo da soja para edamame como vantagens competitivas importantes para a expansão desse mercado.

Testes com a BRS 267 também estão sendo feitos em São Paulo, por meio da parceria entre a Embrapa e a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. “Também estão envolvidos no trabalho o Instituto Agronômico (IAC), a Embrapa Meio Norte e produtores da Cooperativa dos Agricultores Familiares da Região Centro Paulista e da Cooperativa Entre Serras e Águas”, informa Fénelon Neto, pesquisador da área de Transferência de Tecnologia da Embrapa.

Empresas de sementes podem obter licenciamento da BRS 267

Para atender os pequenos agricultores (orgânicos e horticultores), a Embrapa está fortalecendo a organização da cadeia de abastecimento de sementes para produção de soja edamame. Nesta fase inicial, a Empresa está atuando em duas frentes: o atendimento aos produtores que já estão participando do programa e validando a tecnologia de produção de edamame; e a organização da cadeia de abastecimento de sementes para o mercado, visando ampliar o abastecimento. Os técnicos lembram que a tecnologia é destinada a um nicho de mercado que requer atenção especial, pois é feito o consumo direto do grão e há agregação de valor e isso envolve também segregação da produção de sementes.

Na safra 2020/21, a Empresa realizou a produção da categoria de semente genética da cultivar, uma classe que, posteriormente, é ofertada para empresas e produtores de sementes que atuam no mercado. Nessa cadeia de logística de suprimento, esses produtores ampliam o volume nas safras seguintes e passam a ofertar a semente da cultivar para comercialização junto a outros produtores. 

A Embrapa já está em negociação com duas empresas, mas continua aberta a novas parcerias para licenciamento do material. As empresas produtoras de sementes que tenham interesse na multiplicação de sementes da BRS 267 podem obter mais informações sobre a cultivar na página de negócios da Embrapa.

Além da cultivar BRS 267, o programa de melhoramento genético da Embrapa, mantém uma linha de desenvolvimento de materiais específicos para consumo humano. “As novas cultivares que estão sendo desenvolvidas visam propiciar outras oportunidades para produtores atuarem em mercados diferenciados”, ressalta Moreira. 

Fonte: Embrapa Agroindústria de Aliment

Previsão do tempo

Entre-Ijuís
Sbado 15/05/2021

23º
Parcialmente Nublado
21º Eugênio de Castro
22º Santo Ângelo
22º Caibaté
10º 23º Vitória das Missões